Os Maiores Hits de 2017

Por Paulo Cardoso

O ano de 2017 foi recheado de grandes hits que fizeram a alegria dos amantes da música pop. Contudo algumas gravações se destacaram pela boa produção, composição e, claro, por não saírem das nossas cabeças com os seus refrões poderosos.

O Praquepapel escolheu 10 músicas para representarem Os Maiores Hits de 2017. Veja a seguir!

1 – Katy Perry – Bom Appétit (feat. Migos)

O segundo single do álbum “Witness” foi encarado com certo preconceito pelos adoradores da cantora –por conta da fase completamente diferente da popstar – porém a música possui um refrão poderoso, e a faixa é produzida pelos maiores hitmakers da atualidade, responsáveis pelos maiores sucessos de Katy, Britney Spears, Pink etc. Vale o 1º lugar por conta do ótimo instrumental e o recheio de metáforas para falar sobre um bom e velho sexo consensual. Outro ponto é o clipe megaproduzido que critica a ‘objetificação’ da mulher em sua melhor forma.

2 – Demi Lovato – Tell Me You Love Me

Demi surpreendeu. E surpreendeu muito com o seu novo trabalho. Na faixa, a cantora implora para ouvir que é amada, em meio a um bad romance daqueles. Os vocais da cantora hipnotizam qualquer um que se dispõe a ouvir a música sem pretensão nenhuma. O refrão é forte e traz uma Demi Lovato mais madura que nunca.



3 – Lorde – Homemade Dynamite (feat. Khalid, Post Malone & SZA) [Remix]

estranha Lorde tem um talento inegável. O remix de sua faixa que conquistou o 3º lugar dessa lista – do álbum “Melodrama” – traz 3 artistas que prometem causar muito no cenário musical do mundo inteiro.  Vale lembrar que a canção foi co-escrita pela talentosíssima Tove Lo e produzida por Frank Dukes (responsável pelo hit “Havana”, de Camila Cabello).



4 – Lana Del Rey – Lust For Life (feat. The Weeknd)

Já sabemos que quando Lana e Abel se juntam não tem quem impeça o sucesso. A cantora não é artista de charts, mas é alguém que conquista muito bem sua legião de fãs e sempre faz ótimas músicas, com toda a sua vibe retrô seiscentista. A faixa – que dá o nome para o seu disco mais recente – traz toda aquelas sensação de amor patriota à America e amor a se apaixonar.

5 – Migos – MotorSport (feat. Nicki Minaj & Cardi B)

Sim, os Migos conseguiram.  Juntaram a nossa rainha dos feats, Nicki Minaj, com outra rapper. O resultado é impressionante. Parece mais uma batalha de versos, igualando as duas artistas a qualquer outro rapper, em um universo onde homens dominam. A música tem uma produção consistente e um videoclipe que dá um show em qualquer outra produção que vemos por aí.

6 – Rita Ora – Anywhere

Rita Ora é guerreira. Com todos os atrasos nos lançamentos, algumas sabotagens nos bastidores e a vida profissional barrada pela pessoal, a artista lançou uma das melhores músicas do ano. Anywhere traz a proposta de mostrar os belos vocais roucos da britânica, com aquele refrão dançante que todos gostam – mesmo com Rita dizendo tudo e nada ao mesmo tempo.

7 – Dua Lipa – New Rules

E vocês acharam que não iam ter as novas regras hoje? Que grande presente foi Dua para os apaixonados que não desapegam. Apesar do sucesso da faixa, que conquistou todos com a sua narrativa, a artista fez um ótimo debut com o disco autointitulado, recheado de ótimas músicas.

8 – Lady Gaga – The Cure

The old Lady Gaga is dead, mas o talento não. Após o lançamento do disco Joanne (2016), Gaga lançou a faixa The Cure para promover sua nova turnê mundial, mostrando todo o seu amor e talento na escrita. A faixa a cativante, dançante e sentimental ao mesmo tempo.

9 – Zayn – Dusk Till Sawn (feat. Sia)

Okay, já sabemos que onde tem Sia o sucesso é garantido. Contudo a faixa que foi lançada pelo britânico com a australiana sai completamente do estilo que é conhecido por se tornar um grande hit. A faixa conquista exatamente pelo oposto. Não é para as baladas, não é para chorar. É apenas poderosa.

10 – Katy Perry – Roulette

Mesmo não sendo um single, a faixa do disco mais recente da Californa Gurl mostra Katy perdida em seu surto de criatividade, criando um hit injustiçado (as esperanças não morreram para um clipe e performances ao vivo nos canais de televisão). A faixa entra na lista pela produção, pela sua construção e pelos vocais da cantora.

Paulo Cardoso é colaborador do Praquepapel. Quer ver seu texto, crítica ou resenha publicados no Blog? Envia pra nós!

Esse conteúdo é de responsabilidade do autor. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *