Apologia a sobriedade

Estou cursando o último ano de Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda e aqui colocarei algumas observações e pesquisas que fiz durante quase quatro anos. Preparadx?

Todos nós sabemos, ou pelo menos a maioria, que nossos valores e a forma que vivemos demonstra uma sociedade como um todo, ou seja, capitalista e consumista.

Em 1989 com a queda do muro de Berlim, a forma que uma sociedade vivia mudou completamente, em vários aspectos. O comunismo diminui e o capitalismo aumenta. No livro “As Chaves Deste Sangue” fala do ano de 1902 em que existia uma luta de três sistemas pelo poder global, o papado, o comunismo e o capitalismo. Sim, já sabemos quem venceu.

Hoje podemos dizer que a humanidade não está tão pensante, somos conduzidxs a pensar como as mídias de massa nos dizem ser correto.

A sociedade de consumo necessita que a economia cresça, para dizer que o país está indo muito bem, será mesmo? Você compra tudo que acha necessário, depois de certo tempo aquele produto não te serve mais ou passou a ser obsoleto, você o descarta. Sabe para onde vai? Ou melhor, você realmente sabe para onde todo esse lixo vai?

Em 1901, Adolphe A. Chaillet criou uma lâmpada incandescente que está acesa desde então, quase 115 anos, ligada 24 horas por dia. Benito Muros, um espanhol, cria uma lâmpada que pode durar uns 100 anos e é ameaçado de morte. Deram um lance de 87 milhões de dólares para comprar seu projeto ele não aceitou. Hoje a lâmpada não está sendo vendida no mercado, somente pelo seu site.

Quantas lâmpadas você terá que comprar em toda sua vida? Porque as convencionais queimam.

Será mesmo que você precisa de tantas coisas assim?

Materialismo e ansiedade são causados pelo consumo, existem pesquisas que afirmam isso. A carência e frustração te faz comprar por achar que será mais feliz ou mais bonitx se conseguir determinado produto.

Porque você se veste de um jeito dentro da sua casa e fora dela você se veste de outro? O consumismo te faz pensar que você só é alguém se você carrega uma marca famosa no seu tênis, na sua camisa, no seu boné e afins.

Roupa de esporte tem que ser apertada? Não! Muito tempo atrás os esportes eram praticados com roupas largas e longas. Comercial antigamente se preocupava com a qualidade do produto, no mundo contemporâneo a preocupação é em vender.  E a qualidade? Zero! As fotos das modelos nas revistas não condizem com a verdade de sua pele, de suas curvas, de suas bundas. Você sabia que a cor natural dos dentes não são brancos? São marfins, levemente amarelados, mas a indústria da beleza fez você acreditar que eles precisam ser brancos.

A publicidade introduz na sua mente que você é infeliz com seu cabelo, com seu nariz, com sua boca, com seu pé, com seu corpo, com tudo. E você acredita!

                                                                               “O mal do consumismo não está no consumo, mas no vazio que ele procura preencher. Um vazio de humanidade, de boa cultura e de melhores referências.”
Jose Rafael Nascimento.

Você consegue viver sem um celular, por exemplo, se você disser que não consegue viver sem celular e porque o celular esta coordenando sua vida, ele está te dominando. O celular assim como várias outras coisas devem servir para uma necessidade e não para um desejo supérfluo.

Já ouviu falar de absolescência programada? Não? Mas isso faz parte da sua vida desde sempre, é uma estratégia das indústrias e empresas para que seus produtos durem menos e você tenha que comprar outro e mais outro e outro. Isso pode? E quem disse que não pode? Afinal, a economia do país precisa crescer né?

Por que não existe publicidade de pão, arroz, feijão, escola? São coisas que utilizamos sempre, porque é necessidade básica, não precisa nos forçar a comprar vamos comprar de qualquer forma. A mídia valoriza o materialismo.

Como diminuir esses valores capitalistas? O que te faz comprar ou querer algo e seu desejo de escolha? Sua insegurança? Mude seus hábitos, mas entenda que apenas mudar o estilo de vida não é o suficiente é preciso defender politicas publicas que defendem os valores intrínsecos, os valores íntimos e constitutivos do ser.

Quando entramos na zona do consumismo os valores sociais caem por terra. Ficamos empáticos, menos cooperativos, diminuímos a generosidade e a preocupação como a natureza some.

Para você conseguir realizar todos os seus desejos supérfluos você diz que está trabalhando para ter dinheiro e para gastar como quiser, mas antes de gastar seu dinheiro você gasta seu tempo de vida. Dizem que o trabalho dignifica o homem? Será mesmo? Quando você trabalha, você oferece seu tempo de vida, você gasta esse tempo em troca de dinheiro.

Com o que e pra que você está gastando seu tempo de vida?

Clique aqui para ler o livro: A Lógica do Consumo. Aposto que vocês vão adorar!

(esse texto não quer induzir você a largar tudo e virar franciscano, o intuito e fazer uma reflexão sobre seu consumismo e a forma que a publicidade te influencia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *